Weby shortcut
11 de outubro às 14 horas no Miniauditório da FCS

NECRIVI em Debate - Sistema socioeducativo - Como foi?

No dia 11 de outubro, o NECRIVI teve a oportunidade de discutir o Sistema Socioeducativo em debate junto à comunidade. Além do diálogo com profissionais da área entre o público, contamos com a palestra de Liza Santos (mestre em Sociologia) e Eduardo Camargo (mestre em Ciência Política), pesquisadores do tema. 

Para expor a perspectiva do público sobre o evento, convidamos Priscylla Viana, integrante deste Núcleo e acadêmica do curso de Direito da UFG a registrar sua opinião:

"Desde 2015 a redução da maioridade penal e o recrudescimento das medidas de socioeducação ocupam lugar de destaque na mídia, na sociedade e na agenda política nacional como mais das pautas que visam o retrocesso de direitos e garantias sociais.

A constante espetacularização nos meios hegemônicos de comunicação dos casos envolvendo adolescentes em conflito com a lei busca construir o mito do jovem violento quando, na verdade, são eles as maiores vítimas da violência. Segundo dados levantados pelo “Mapa da Violência/2016”, no Brasil, 25.255 jovens de 15 a 29 anos foram mortos por armas de fogo em 2014, um aumento de quase 700% em relação aos dados de 1980, quando o número de vítimas nessa faixa etária era de cerca de 3,1 mil. Com isso, o Brasil ocupa a 10ª posição em número de homicídios de jovens num ranking que analisou cem países. Destacando-se a vulnerabilidade da população negra e empobrecida à violência, atualmente, morrem por arma de fogo 2,6 vezes mais afrodescendentes do que brancos.

Os pesquisadores convidados para o debate reafirmaram essa realidade nas conclusões de suas pesquisas feitas no estado de Goiás. Liza pondera que no modelo atual as deficiências do Estado, da família e da sociedade acabam recaindo como responsabilidade do adolescente vulnerável, impondo sobre ele um maior controle social que reproduz a desigualdade e prioriza a aplicação da medida socioeducativa em relação à medida protetiva. Na mesma linha, Eduardo expõe que em sua pesquisa sobre as políticas públicas, feita junto aos profissionais do sistema socioeducativo, a palavra de ordem era “frustração”, já que segundo eles a lei aplicada aos casos apesar de boa não funciona na prática. Ele aponta que uma das causas desse problema é a falta de articulação dos setores que compõem a rede do sistema socioeducativo.

A partir dessas informações, tão divergentes das que nos são impostas pela mídia, a pergunta que não quer calar é: quem ganha com o genocídio e criminalização da juventude negra brasileira?"

Considerando positivo o resultado do evento, o NECRIVI mais uma vez agradece a gentileza dos palestrantes, assim como a colaboração de Priscylla e ressalta a contribuição dos profissionais presentes nos debates, aos quais também agradecemos e convidamos para que permaneçam em diálogo. Lembrando que o próximo debate ocorrerá no dia 25 de outubro, com o tema da formação e violência policial.

Imagem dos palestrantesPresença do público

Listar Todas Voltar